Alergia a vinho – Veja sintomas e soluções

Tempo de leitura: 3 minutos

Se após tomar uma taça de vinho você percebeu que teve empolação pelo corpo, irritações ou sangramento nasal sinto muito lhe dizer, mas você provavelmente tem alergia a vinho. Mas não fique triste (ou pelos menos tente), vou mostrar uma alternativa para você continuar degustando seus vinhos sem maiores problemas.

Muitas pessoas estranham o fato da alergia estar ligada ao vinho. Por isso, muitas pessoas passam anos pensando que a alergia é proveniente dos acompanhamentos – na maioria das vezes queijos ou frutos do mar – que podem ser altamente alérgicas.

Infelizmente, ainda não existem estudos mais aprofundados sobre alergia a vinho. A pesquisa mais aprofundada ocorreu em Mogúncia, na Alemanha, em 2010, com apenas 948 pessoas.

Mesmo assim, foi possível chegar a conclusão de que essa alergia a vinho pode se dar por causa de três elementos que compõem o vinho:

  • Histamínicos;
  • Sulfitos;
  • álcool.

A ordem está do mais comum que são os histamínicos até o álcool – que é menos provável, mas não descartável.

Histamínicos e a alergia a vinho

Antes é bom explicar exatamente o que é a histamina para depois falar sobre sua presença no vinho.

Quem sofre das famosas rinites (alergias respiratórias, por assim dizer) conhece a palavra Histamina, talvez não saiba o que é, mas conhece.

Sem entrar em detalhes técnicos, a histamina é produzida pelo nosso corpo como forma de combater algum agente alérgeno que está tentando entrar em nosso corpo. Quanto mais histamina nosso corpo libera, maiores são as reações como espirros, caroços, vermelhidão etc.

De uma forma bem simples de entender: quanto mais histamina produzir, mais terei reações alérgicas. Porém, a histamina não é produzida apenas pelo corpo humano, ela também está presente em todos os animais e vegetais.

É exatamente aí que entra a alergia a vinho. Durante o processo de fermentação de qualquer comida ou bebida a histamina é produzida naturalmente.

Se você estiver se perguntando, mas então por que nem todos têm essa reação alérgica? A resposta é simples. A tolerância a histamina se dá quando seu sistema imunitário está desregulado e não consegue absorver de forma adequada o excesso de histamina.

Lembrando que esse problema pode ser temporário ou crônico.

coceira alergia álcool

Sulfitos e a alergia a vinho

A primeira pergunta: o que são sulfitos e por que eles estão nos vinhos? Os sulfitos na verdade é o ácido sulfuroso H₂SO₃ e ele é acrescentado ao vinho, pois é um poderoso antioxidante e antimicrobiano. Seu objetivo é fazer com que o vinho dure mais tempo.

Porém, algumas pessoas podem desencadear reações alérgicas a este elemento. Em alguns casos, as reações são sutis e quase despercebidas, porém para quem sofre de problemas respiratórios como asma pode ser mortal.

Vale lembrar que o ar poluído que respiramos também pode estar cheio de sulfitos, então nada de ficar paranóico.

TOP 10 – Os melhores presentes para quem gosta de vinho.

Álcool

Geralmente a alergia ao álcool sempre estará ligada a um dos dois problemas citados acima, seja pelo excesso de histamina ou pelos sulfitos, porém em outros casos pode estar ligado a uma enzima.

Uma deficiência na enzima desidrogenase alcoólica, bastante comum entre asiáticos, pode causar vermelhidão no rosto após ingerir vinho.

Como continuar degustando se tenho alergia a vinho

Caso você se enquadre num dos quadros acima, mas não quer deixar de beber um delicioso vinho, uma opção bastante viável é beber vinhos menos encorpados. Outra opção praticamente sem histamina são os vinhos brancos.

De toda forma, minha recomendação é que você procure um dermatologista e explique sua situação para que juntos possam encontrar a fonte da alergia. 

Se este artigo te ajudou e você também possui algum tipo de alergia a vinho ou conhece alguém que tenha, comente abaixo. Ficaremos gratos em responder.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *